quinta-feira, 19 de abril de 2012

Um cômodo

A sala de estar era o retrato da família. Com velas sempre acesas, antigos candelabros iluminavam a escadaria. Nos cantos armaduras medievais, nas paredes um machado, uma placa de madeira crivada de facas, um par de floretes, um bacamarte e máscaras rituais.
Pesadas cortinas emolduravam portas rangentes. Uma corda de forca tangia um sino terrível, que fazia assomar o mordomo. Para entreter os patrões, o criado dedilhava um orgão finamente decorado, de som lúgubre. Como enfeite havia uma pequena árvore de galhos nus e, em um vaso, rosas com os bulbos cortados. Sentada na larga cadeira de vime, depois de cuidar de seus morcegos, a matriarca oferecia costeletas de cordeiro a uma planta carnívora. Sobre uma mesinha, a tampa de uma caixa forrada de veludo se abria e, de dentro, saia uma mão sem corpo.

Rafael Linden

2 comentários:

Seu comentário será respondido aqui mesmo neste blog.