domingo, 6 de maio de 2012

Pinguins e Mandelas

          A revista eletrônica do Smithsonian Institute publicou um artigo excelente sobre pinguins africanos*. Não mude de canal, prometo que vai ficar interessante.
          O autor escreve sobre meio ambiente e é um fotógrafo premiado. O texto é acompanhado de fotos e filmes produzidos junto a uma equipe de cientistas que estuda esta variedade de ave, a qual se encontra no rumo da extinção (os pinguins, não os cientistas). Aliás, entre outras coisas aprendi que, diferente do que eu pensava, não apenas há diversas variedades de pinguins fora da Antártida, como são poucas as espécies que gostam de viver on the rocks.
          A particularidade é que estes pinguins habitam uma ilha a uns dez quilômetros da costa sul-africana. Lá mantém seus ninhos em torno de uma prisão desativada dentro da qual, junto com outros companheiros de luta, Nelson Mandela viveu dezoito dos vinte e sete anos em que ficou encarcerado pelo regime do apartheid sul-africano**.
          Ou seja, o artigo trata de duas espécies em extinção. Pinguins africanos e líderes humanos do bem. Muito embora a já tardia agenda ambiental seja mais do que necessária e bem-vinda, parece que hoje em dia muitas cabeças pensantes andam desinteressadas da segunda espécie.
          Talvez porque se considere que meio ambiente tornou-se um tópico indiscutivelmente universal, enquanto as mazelas dos outros não nos dizem respeito. Afinal, cada famíia infeliz não o é à sua maneira? Mas não é boa idéia nos conformar com um único medo. Mandelas e outros exemplares dessa espécie rara de bicho-homem farão muita falta em futuro próximo.

Rafael Linden

* O artigo de Charles Bergman sobre os pinguins está no link http://www.smithsonianmag.com/travel/Make-Way-for-the-African-Penguins.html
** Outro artigo, de Scott Johnson, sobre a prisão na Ilha Robben está no link http://www.smithsonianmag.com/travel/Robben-Island-A-Monument-to-Courage.html

15 comentários:

  1. Respostas
    1. Que você concorde eu podia prever. Mas é preciso que muito mais gente acorde para a carência de Mandelas por aí...
      bjs
      R

      Excluir
  2. Rafael, apesar de saber de há muito o valor de Mandiba, parece que só agora, depois de lida sua crônica, realizei a grande perda humana que tivemos. Fiquei com um travo na garganta. Por que será que a espécie líderes-que-se-dedicam-a-melhorar-seu-país-sem-qualquer-outro-interesse-além-desse é tão pouco numerosa? Paro para pensar e imagino, tirando por mim própria, que muito pouca gente se dispõe a enfrentar uma prisão por 27 anos...
    Um abraço,
    Isa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito poucos mesmo. E menos ainda, sair de lá e acabar com o apartheid da forma como ele conseguiu.
      bjs

      Excluir
  3. Rafael querido, da minha leitura da crônica você já soube. E quanto ao futuro próximo, o que não podemos é deixar de sonhar, para não deixarmos de caminhar, apesar da falta de Mandelas. E cabe muito aqui o pensamento do Galeano: "A utopia está lá no horizonte. Me aproximo dois passos, ela se afasta dois passos. Caminho dez passos e o horizonte corre dez passos. Por mais que eu caminhe, jamais alcançarei. Para que serve a utopia? Serve para isso: para que eu não deixe de caminhar." Beijinhos CG

    ResponderExcluir
  4. Complementando ainda, que esta citação feita por Galeano, foi na verdade referente as palavras de seu amigo, o cineasta argentino Fernando Birri, explicada nesta bela entrevista:
    http://www.youtube.com/watch?v=0GJL9kBqwdc

    ResponderExcluir
  5. Realmente... o último dos Líderes (Heróis).... Salve o grande Mandela!

    ResponderExcluir
  6. É, amigo... quantos séculos serão necessários para que surja um novo Mandela... O cara teve uma importância em tanto pra humanidade!

    ResponderExcluir

Seu comentário será respondido aqui mesmo neste blog.