sábado, 3 de outubro de 2015

Transplante de cabeça dinossauro

          Em dias meio mornos, até mesmo este seriíssimo cronista é dado a devaneios. Assim, hoje notamos que se aproxima o trigésimo aniversário do terceiro disco da banda Titãs, chamado “Cabeça Dinossauro”. Sim, madame, eu sei que é só no ano que vem, mas a senhora já imaginou a enxurrada de reportagens e crônicas comemorativas que saudarão a efeméride imprensa afora? Que chance tem um praticante de Literatura marginal, frente aos luminares que então se manifestarão, do alto de suas colunas cativas nos mais poderosos veículos de comunicação? A nós, amadores, resta sair na frente a fim de provocar nos leitores antecipada nostalgia. Antevejo cinquentões e sessentões aos borbotões – queiram perdoar…-  recordando, sorridentes, os sacolejos no Circo Voador, o frenesi nos teatros e estádios, o alegre chafurdar no atoleiro do Rock in Rio e, lástibatinotiliste, modorrentos sábados chuvosos assistindo, pela televisão, ao lendário “Perdidos na noite”, apresentado por Fausto Silva antes desse último ser pasteurizado.
          “Cabeça Dinossauro! Pança de Mamute! Espírito de Porco!” urravam os guris enlameados, num filmete muito doido, gravado pela câmera do Branco Mello apoiada numa pedra, em frente a uma cachoeira situada na chapada dita a dos Guimarães no clipe, ou a dos Veadeiros pelo Sergio Britto na histórica entrevista concedida pelo grupo à jornalista Lorena Calábria. Mas seja qual chapada for, depois do primeiro disco - um sucesso - e do segundo - um fracasso -, o álbum “Cabeça Dinossauro” catapultou os músicos ao rol dos monstros sagrados do roque brasileiro. As três únicas frases que formam a letra concretista da faixa-título, inventada de brincadeira dentro de um ônibus que os carregava em uma turnê, significam…significam…sei lá o que significam, talvez um diagnóstico da condição humana, ou uma porralouquice qualquer, afinal isso aí é rock’n roll.
          Ainda estão aí? Então chegou a hora de perguntar qual é a agenda oculta do insidioso cronista. Nada demais, como de hábito uma livre associação de palavras, que nos trouxe a outro assunto relacionado a cabeças: a insólita promessa do neurologista italiano Sergio Canavero, acompanhado pelo neurocirurgião chinês Xiaoping Ren, de transplantar a cabeça de um cientista da computação russo para um corpo retirado de um cadáver fesquinho, com o intuito de curar o russo de uma forma de atrofia muscular espinhal, doença neurodegenerativa gravíssima e progressiva.
          O Doutor Canavero tornou-se uma celebridade ao se dizer preparado para realizar o transplante dentro de uns dois anos. Mas trata-se de uma empreitada que, embora possa vir a funcionar algum dia, é altamente improvável em futuro próximo. Canavero, em suas palestras, descreve a proposta de reconectar as complexas conexões neurais entre o cérebro e a medula espinhal através do uso de um composto que amolece as membranas celulares e, candidamente, ilustra o método com um punhado de espaguete. Alega que as tecnologias hoje disponíveis já permitem planejar uma cirurgia como esta. Nisso ele está certo, assim como as informações disponíveis numa consulta ao Google me permitiriam facilmente planejar uma travessia do Oceano Atlântico a nado, apesar do sobrepeso, falta de treinamento e lesões crônicas de tendões nos ombros.
          Mas fique tranquila, cara leitora, pois ao contrário do Doutor Canavero, ainda nos sobra um mínimo de bom senso, com o qual temos o saudável hábito de abortar ocasionais e espetaculares idéias de jerico. Não creio estar sozinho na modesta opinião de que a promessa do Doutor Canavero é um embuste, pois vários especialistas acham que, das duas uma, ou o prazo para executar tal façanha foi grosseiramente subestimado, ou o italiano é simplesmente doido varrido. E não, meu ilustre e iracundo leitor rabugento, não se trata de mais um visionário brilhante refutado por criaturas medíocres e invejosas. Outros tiveram esta visão muito antes do Doutor Canavero e, pelo menos, testaram a viabilidade de sua visão através de experimentos que, até hoje, nunca deram certo. Por exemplo há algumas décadas um neurocirurgião americano transplantou uma cabeça de macaco para o corpo de outro e as duas partes "funcionaram" independentemente por pouco tempo, sem nenhum sinal de conexão. O próprio Doutor Xiaoping Ren vem, há anos, repetindo experimentos em que transplanta a cabeça de um camundongo para o corpo de outro e jamais conseguiu manter o corpinho do doador “vivo” – ou seja, com o coração batendo - por mais do que alguns minutos, coisa que aconteceria de qualquer forma com o bichinho decapitado largado em cima da mesa. Nesse aspecto, o neurocirurgião chinês se revela pouco mais do que a reencarnação da velha Rainha de Copas, de Alice no País das Maravilhas.
          Não se pode, é claro, negar a possibilidade desse tipo de procedimento vir a se tornar factível no futuro. Mas esse furdunço midiático é apenas mais uma demonstração de uma incansável busca por holofotes, na qual o valor real do avanço científico e tecnológico é substituído pela exploração da expectativa popular, aprofundada pelo sensacionalismo de parte da midia e agravada pelo efeito multiplicador das redes sociais. Seria, é claro, injusto condenar quem se alimenta de esperança, como o russo que se ofereceu como cobaia da cirurgia, desesperado pela perspectiva de piora progressiva da sua terrível doença. Pelo contrário, é revoltante ve-lo iludido, assim como tantos que se apressam a celebrar a visão e a audácia do médico italiano, as quais não passam de auto-promoção à custa da boa fé alheia.
          E pior, está chovendo dinheiro, proveniente das doações de um monte de gente que se mobilizou para ajudar a financiar este projeto. O Doutor Canavero precisa de recursos vultosos para recrutar uma equipe de cento e cinquenta profissionais de saúde, que ele estima necessários para a cirurgia. Um gaiato que lê o rascunho desta crônica sobre meu ombro lembra a piada da pergunta sobre quantas pessoas são necessárias para trocar uma lâmpada, incluindo a que vai subir na escada e as que vão girá-la para desatarrachar a lâmpada. Também ouvi de um amigo um comentário sobre a torturante dúvida do italiano, se é tecnicamente mais correto levar a cabeça do paciente para a mesa na qual está o cadáver degolado, ou vice-versa. Cá para nós, pensando na poesia concretista dos Titãs, a chance de sucesso desse espírito de porco seria maior se ele transplantasse a cabeça de um dinossauro para a pança de um mamute e contratasse a escritora Mary Shelley para escrever sua biografia e o cineasta Mel Brooks para filmar uma sequela.


Rafael Linden

      

4 comentários:

  1. Noticia boa, acaba de surgir um novo agregador de links o ( www.linksvip.com.br ) apesar de ser novo, o agregador de links já conta com mais de 20 mil visitantes unicos por dia, faça um teste! divulgue seu link, no Linksvip e tenha milhares de visitantes em seu site.
    não custa tentar! entre e cadastre e use nosso widgets e tenha certeza do sucesso garantido, iniciamos 60 dias de publicidade no facebook e 3 meses no google adworks, tudo isso para dar visibilidade a você blogueiro.

    ResponderExcluir
  2. Crônica maravilhosa, e o melhor e tudo é terminar cantarolando 'cabeça dinossauro, pança de mamute' do Titãs. he he

    ResponderExcluir

Seu comentário será respondido aqui mesmo neste blog.