sexta-feira, 12 de julho de 2013

O dicionário do diabo


          Neste ano da graça de 2013, mais precisamente em 26 de dezembro, fará cem anos desde que o jornalista e escritor norte-americano Ambrose Bierce desapareceu. Isso mesmo, sumiu, evaporou, escafedeu-se. Já ouço aquele leitor ranzinza a resmungar “lá vem mais uma daquelas inutilidades”. Não é de bom tom um cronista bem-educado sequer pensar em sugerir ao rabugento o mesmo destino do ianque. Au contraire. O escritor tem o dever de, humildemente, pedir à sua platéia, inclusive aos raríssimos ranhetas, que continuem a ler, pois algo de útil poderá aparecer. Portanto, assim o fazemos, humilde que somos.
          Mas quem era o tal Ambrose, antes de desaparecer? Assinou diversas colunas em jornais da California e, além disso, escreveu principalmente contos. O mais famoso foi publicado em 1890 com o título “Um acontecimento na ponte de Owl Creek” e tornou-se um clássico dentre histórias curtas inspiradas na guerra civil norte-americana, da qual o então jovem Bierce participou como militar do lado da União. Uma adaptação deste texto tornou-se um dos últimos episódios da série de TV “Além da Imaginação”.
          Entretanto, Ambrose Bierce ficou famoso mesmo com a obra publicada em 1906 sob o título “O livro das palavras de um cínico” e, em 1911, rebatizada como “Dicionário do diabo”. Esta é uma pretensa “obra de referência”, na qual o autor “definiu” palavras e expressões com fina ironia, subvertendo o significado de dezenas e dezenas de verbetes com seu humor ácido e crítico. Consta que ele começou a escrever os tópicos satíricos em 1875 e alguns dos mais antigos vem sendo redescobertos e acrescentados a novas edições do livro. Uma tradução para a língua portuguesa foi publicada em Lisboa, pela Editora Tinta da China. Outra no Brasil, pela Mercado Aberto, de Porto Alegre. Millor Fernandes ensaiou um similar nacional com 20 verbetes, sob o título “Dicionário Irrefletido”, em sua coluna na revista Veja de 30 de janeiro de 2008, mas ficou nisso.
          No dicionário do diabo há definições deliciosas como, por exemplo: “Intimidade, s.f. Relação a que  são providencialmente arrastados os tolos para destruirem-se mutuamente”; “Homem, s.m. Um animal tão absorto no êxtase contemplativo do que acredita ser, que não dá sequer uma olhada no que indubitavelmente poderia vir a ser”; “Nepotismo, s.m. Prática que consiste em designar sua avó para um cargo público pelo bem do partido”; “Paciência, s.f. Forma menor de desespero, disfarçada em virtude”; “Perseverança, s.f. Virtude inferior através da qual a mediocridade alcança um sucesso sem glória”; “Política, s.f. Conflito de interesses fantasiado em luta de princípios”; “Reflexão, s.f. Processo mental pelo qual obtemos uma visão nítida do passado, estando aptos a evitar perigos pelos quais não passaremos novamente”; “Santo, s.m. Pecador morto, revisto e editado”. E muitas outras.
          Curiosamente, há mais de trinta anos anos deparei-me, pela primeira vez, com uma destas “definições” numa nota de rodapé de um capítulo de livro escrito pelo cientista britânico Lawrence Weiskrantz, que foi chefe do departamento no qual fiz meu pós-doutorado em Oxford. Larry, como todos o chamavam, era um notável especialista em percepção e memória e tinha excelente humor que, frequentemente, inseria em suas palestras e publicações. Foi numa dessas que, a título de blague, para ilustrar a dificuldade de planejar experimentos rigorosos e objetivos na área de cognição, lembrou a definição da mente humana, uma de minhas prediletas no dicionário do diabo. O verbete se traduz mais ou menos assim: “Mente, s.f. Misterioso tipo de substância secretada pelo cérebro. Sua principal atividade consiste no esforço em determinar sua própria natureza, tentativa esta que tem sido infrutífera devido ao fato de não dispor de outro instrumento para se conhecer além de si própria”. Cá pra nós, até colegas que se dedicam à pesquisa em cognição e comportamento humano hão de convir que Ambrose Bierce tinha um talento excepcional para a sátira.
          O que terá acontecido com o escritor depois que, em 26 de dezembro de 1913, enviou a um amigo sua última carta, cuja autenticidade é, aliás, contestada? Dali em diante, nunca se soube de seu paradeiro, em que pese uma enxurrada de explicações e testemunhos inverossímeis. Na ocasião, Ambrose tinha 71 anos de idade e estava, ao que tudo indica, nas imediações de Ciudad Juárez, na fronteira do México com os Estados Unidos. Supostamente acompanhava como observador as tropas rebeldes de Pancho Villa, que lutavam na provínicia de Chihuahua em plena Revolução Mexicana. Há uma ironia perversa na história de que um ex-militar, com larga experiência em situações belicosas, simplesmente sumiu quando, presumivelmente, se dedicava a procurar subsídios para relatar o andamento de operações de guerra.
          Por outro lado, considerando as idas e vindas da Revolução Mexicana, com suas múltiplas lealdades de ocasião, alianças políticas e militares estabelecidas e rompidas em curto espaço de tempo, as quais logo se transformavam em ódio feroz, bem como eventos tortuosos que desafiam a compreensão deste humilde cronista, resta a possibilidade de que Bierce tenha resolvido desaparecer por conta própria, desapontado pela incapacidade de incluir no seu dicionário um verbete bem-humorado correspondente aos acontecimentos daquele sangrento e confuso episódio da história do México.

Rafael Linden


20 comentários:

  1. Se este mesmo escritor americano vivesse em nossos dias,e escrevesse seus tópicos satíricos e definisse em seu dicionário do diabo TV GLOBO [Abreviatura de televisão].Inútil e imoral que só expõe matérias de caráter duvidoso ou ainda Golpista. [De golpe+ -ista]Homem, ou grupo de homens ou empresas ávidos(as) pelo poder com instinto de animais selvagens.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talvez, prezado Anônimo, mas acho pouco provável. A sátira não é privilégio de um dos lados em um debate, qualquer que seja sua natureza. Bierce foi um conservador. Entretanto, deve-se notar que, por paradoxal que pareça hoje em dia, naquela época os republicanos eram muito mais progressistas do que os democratas. E Bierce sempre assinou seus textos...
      :-)

      Excluir
  2. Texto no mínimo curioso... quanta informação! Bacana!

    ResponderExcluir
  3. Vi O “Dicionário Irrefletido” do Millor!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito bom, pena que ficou restrito aos 20 verbetes.
      R

      Excluir
  4. Interessante o cara Rafa.
    Mas eu não entendi bem a sátira em “Mente, s.f. Misterioso tipo de substância secretada pelo cérebro. Sua principal atividade consiste no esforço em determinar sua própria natureza, tentativa esta que tem sido infrutífera devido ao fato de não dispor de outro instrumento para se conhecer além de si própria”.

    E, por alguma dessas razões da mente ... rsrs ... me lembrei do Livro dos Insultos do Menken. Você já leu?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não li o livro dos insultos, mas vou procurar. Fiquei interessado...
      Abs
      Rafael

      Excluir
  5. Sumiu há apenas 100 anos... pode ser que ainda apareça! rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda está em tempo de recuperar o corpo....
      :-)

      Excluir
  6. Muito interessante.

    Ana Maria

    ResponderExcluir
  7. Texto bem divertido, fiquei curioso para saber qual seria a definição de "Amor" e "Hipocrisia" também, provavelmente, verbetes bem ácidos.
    Procurei pelo "Dicionário Irrefletido" e encontrei outros dicionários do Millôr - http://www2.uol.com.br/millor/dicionario/007.htm . O dicionário etimoLógico é muito engraçado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo comentário e pelo link, Diego. VOlte sempre.
      abs
      Rafael

      Excluir
  8. Interessante.
    Encontrei na Internet por 80 dilmas...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um dos últimos que ainda se encontra, nem sei se a editora Mercado Aberto ainda existe.
      Obrigado pela visita.
      R

      Excluir
  9. Bierce era profundo conhecedor do Oculto, e seus contos provam isso. Bierce não morreu, colocou seu corpo físico em estado de jinas, em outra dimensão. É possível fazer-se isto, eu mesmo já fi-lo, e fi-lo porque qui-lo! eh eh eh eh!

    ResponderExcluir

Seu comentário será respondido aqui mesmo neste blog.