sexta-feira, 26 de abril de 2013

Fragmentos de um certo diário


          Há poucos dias, o editor de um grande jornal italiano recebeu, pelo correio, um envelope sem remetente contendo um bilhete cujo texto foi montado com letras recortadas de revistas, acompanhado de três folhas de papel recompostas dos fragmentos encontrados numa lata de lixo em um subúrbio de Roma. Os fragmentos foram colados com fita adesiva e quem os encontrou escreveu no bilhete que resolvera enviá-los depois de um período de intensa meditação e sofridas orações, durante o qual desistiu de guardar para si, ou pior, vender por um bom dinheiro aquela raridade, por considerar que assim cometeria um pecado imperdoável.
          Trata-se do que parecem ser as últimas entradas de um diário cujo autor é uma celebridade recentemente aposentada. Em vista do enorme interesse que estas poucas linhas podem despertar, o editor do jornal decidiu enviar uma cópia ao abaixo-assinado, para que a divulgasse, naturalmente movido pela enorme audiência que este modestíssimo blog vem conquistando junto às massas. E não digo isso apenas por se tratar de assunto oriundo da Itália.
          Transcrevo abaixo o texto do diário. Abstenho-me de anexar o bilhete em respeito ao anonimato do remetente original.

Castel Gandolfo, 11 de março de 2013
          A chaminé já está no lugar.
          Acordei com uma sensação estranha. Um misto de angústia e expectativa. Creio que, por mais certo que esteja de minha decisão, jamais me abandonará a sombra da dúvida. Mas, era preciso. Mais que isso, era imprescindível. Doía-me na alma a aura de corrupção. Cada um dos desvios individuais, cada uma das denúncias, vazamentos, provas, cada nova estatística das perdas para outras denominações, todos os dias uma voz me soprava a urgência de reagir.
          No mundo de hoje, não vingam atitudes discretas, ainda que eficazes. Por mais que a decisão me tenha atormentado, não me arrependo de ter oferecido a renúncia como ruptura da teia de hipocrisia e das lutas intestinas. Gregório aceitou a renúncia para unificar a Igreja. Rezo para que minha renúncia nos sirva assim como há seis séculos. Espero que o branco da fumaça alvissareira nos traga de volta a paz.

Castel Gandolfo, 12 de março de 2013         
          Preta.
          Padre Georg deu-me a notícia. Ainda bem, a primeira rodada é uma verdadeira Falò delle vanità. Conforta-me, também, que os cardeais não tenham tanta facilidade para encontrar-me um substituto. Perdoa-me, Senhor, até eu cedo à vaidade neste diário, refúgio de minha razão.
          Os jornais abusaram da especulação, como sempre. Não creio que qualquer dos nomes da preferência dos jornalistas tenha chance real de agregar o conclave. Daqui, contemplando o lago Albano, esforço-me para orar por um próximo Pontífice anônimo e para esquecer minhas preferências. É inútil. Nem toda a força de minha fé é suficiente para abafar os ecos da política.

Castel Gandolfo, 13 de março de 2013
          Branca.
          Desta vez, quando Padre Georg chegou para me informar, eu fitava o Mediterrâneo. Buscava ao longe distinguir Gibraltar, para estender meu olhar ao Oceano Atlântico. Pensava que, ainda que o conseguisse e meus pobres e cansados olhos humanos pudessem enxergar a distâncias infinitas, meu olhar mal tocaria o extremo norte da Colômbia. Ainda assim, meu pensamento estava com a América do Sul.
          Conheço bem Bergoglio. Guardo para mim e para Vós minha impressão, não me cabe expressá-la, muito menos divulgá-la, sequer em meu próprio diário. Rezo por ele e por todo nós.
          Não sei se voltarei a escrever aqui.

Rafael Linden


8 comentários:

  1. Que baratoooO!

    ResponderExcluir
  2. Simplesmente sensacional... uma delícia de leitura e palavras genialmente super bem empregadas... magnífico!

    Bjoss!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, Fávia. Sua mensagem é muito estimulante.
      Volte sempre
      Bjs
      Rafael

      Excluir
    2. Rafael Linden, seus textos são muito interessantes. Este diário é lindo.
      Abraços de sua colega do curso de Nilza Rezende, Maria Lucia.

      Excluir
    3. Obrigado, Maria Lucia.
      Volte sempre!
      Bjs
      Rafael

      Excluir
  3. Adoreei, Rafael! Sempre gostei bastante de textos desse tipo, são deliciosos de ler! Parabéns pela escrita (: Criei recentemente um blog literário e se você puder dar uma passada por lá pra avaliar, eu vou ficar muito feliz. http://desventurasliterarias.blogspot.com.br

    Sucesso sempre!
    Grata desde já,
    Mirela Andrade

    ps: achei o seu blog no Portal Teia. Tô te seguindo ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Mirela. Vou ver seu blog assim que possível. Volte sempre!
      bjs
      R

      Excluir

Seu comentário será respondido aqui mesmo neste blog.