segunda-feira, 28 de maio de 2012

Deslizador de canalhas

          Desta vez, a revista eletrônica do Smithsonian Institute publicou um artigo sobre uma recente invenção de cientistas do Instituto Tecnológico de Massachusetts, o renomado MIT. Trata-se de uma substância denominada LiquiGlide, algo assim como “deslizador de líquidos”. Antes de desistir deste texto, leia de novo o título e, acredite, chegarei lá.
          Quando aplicada ao interior de um recipiente, LiquiGlide impede que o conteúdo grude na parede fazendo com que, por exemplo, ketchup ou maionese escorram do vidro suavemente, sem necessidade de espancar o fundo do frasco. Segundo os inventores, o produto é feito inteiramente de componentes naturais, não-tóxicos e aprovados pela FDA, a agência americana que regula a comercialização e uso de remédios e alimentos nos Estados Unidos.
          Saiba o leitor impaciente que a quantidade de condimentos desperdiçados no lixo, por permanecerem grudados no recipiente, foi estimada em cerca de um milhão de toneladas por ano! Ou seja, em tempos de crise econômica e preocupação ambiental, a inovação patenteada pelos nerds do MIT não é de se jogar fora.
          Parece muito promissor, embora ainda seja cedo para saber se vai mesmo chegar às prateleiras. De fato, leitores da revista já expressaram ceticismo quanto à segurança do material, acusando a FDA de ceder a lobistas. Alguém até sugeriu que as empresas não vão se interessar pela invenção, porque desperdício pelo consumidor leva a mais vendas e, por conseguinte, mais lucro. Mas eu fiquei encantado. Nem tanto por ketchup ou maionese, mas por lampejos de otimismo quanto à popularização de algo assim para outros fins.
          Senão, vejamos. Imagine aquele encontro casual com um dos mais obstinados chatos de suas relações, do tipo imortalizado pelo escritor Guilherme Figueiredo no “Tratado geral dos chatos”. Daqueles de quem não se pode escapar, pois às vezes é parente, seu ou do cônjuge, afilhado da sogra, sei lá. Quem sabe uma discreta borrifada de LiquiGlide no sapato dele não traria a você a paz tão desejada? E, por gentileza, poupe este aprendiz de cronista de analogias ferinas...
          Pois chego a sonhar com teco-tecos multicoloridos despejando, com precisa pontaria, galões de LiquiGlide em prédios públicos e privados, empresas, sindicatos, escritórios, repartições, palácios de cada um dos três poderes, fazendo escorregar para bem longe um monte de patifes que permanecem grudados em inúmeros recipientes desta crédula nação, sob o olhar estarrecido de alguns e a passividade bovina de muitos, a pilhar butins intermináveis, a mentir falando ou calando, a desmoralizar instituições democráticas e a dissolver uma esperança no futuro, tão proclamada em discursos e solenidades, porém tão ameaçada por aqueles canalhas asquerosos que, dia após dia, não soltam das paredes nem batendo com força no fundo do frasco.
          Precisamos, com urgência, de um LiquiGlide ético e moral.

Rafael Linden


20 comentários:

  1. Respostas
    1. Sua crônica se encaixa perfeitamente com artigo de Frei Betto publicado hoje no O Globo, que trata do cheiro de pizza que vem da CPI do Cachoeira/Delta.

      Excluir
  2. Além deste uso fictício, ainda que tentador, vejo que poderia ser usado para revestir as embalagens que contém os caros e preciosos reagentes que usamos. Quem sabe assim poderiam ser utilizados até a última microgota (nanogota?).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode ser arriscado sem saber do que é feito, mas seria ótimo...

      Excluir
  3. carlos montefusco28 de maio de 2012 21:29

    Prof., é um desejo compartilhado, com certeza..

    ResponderExcluir
  4. Bateu o recorde. Essa crônica queria ter escrito eu, mas vindo do meu irmão... valeu muito. Ótimo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bro, eu não estou brincando quando digo que o seu blog é inspirador. Obrigado,
      R

      Excluir
  5. Inspirador, Rafael! Podia fazer parte do kit "cargo administrativo", quando os mandatos acabarem não deixaria resíduos indesejáveis- e quando auto-aplicado evitaria que nos apegássemos a situações que não são de fato nosso fim!

    ResponderExcluir
  6. É mesmo, nós mesmos deveríamos andar com uma bisnaguinha no bolso...
    :-)
    Obrigado pela visita,
    abraços
    Rafael

    ResponderExcluir
  7. Professor, vendo os telejornais de hoje à noite com as "explicações" de três homens de nossa elite, quais sejam Mendes, Jobim e Lula acho que seu LiquiGlide deve ser comercializado já.
    abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todo día aparece pelo menos um cliente para o LiquiGlide...

      Excluir
  8. Olá,
    Chatice é uma via de mão dupla, ora somos chateados, ora chateamos. Uma pergunta que não quer calar: Nessa guerra contra chatice quem ficaria com o último frasco?
    JU

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa pergunta. Mas até lá, algo há de melhorar...

      Excluir
  9. Prezado Rafael,

    Somente hoje tive conhecimento da existência de seu blog. Sua capacidade de traduzir para a escrita sentimentos e pensamentos coletivos é indubitavelmente original e encantadora. Parabéns por mais esta bela iniciativa.

    Cíntia Barros Santos-Rebouças (Departamento de Genética/UERJ)

    ResponderExcluir
  10. Olha Rafael! Estou sonhando com este produto, com o uso que você propõe!
    Fosse tão bom se sesse...

    ResponderExcluir

Seu comentário será respondido aqui mesmo neste blog.